Livro resgata histórias de padres europeus perseguidos pela ditadura militar no Brasil


O livro Travessias - padres europeus no Brasil (1959-1990), que a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) lançou neste mês de julho é um importante registro da política adotada pela Igreja Católica - a partir dos anos de 1950 - na perspectiva de equacionar a escassez de quadros locais na América Latina e combater o comunismo, em um momento de grandes transformações sociais e políticas vividas no continente.

Esse recorte, feito pelo historiador e professor Antônio Torres Montenegro, estrutura-se a partir do relato de vida de cinco padres que atuaram, sobretudo, no Nordeste brasileiro.

A ideia de construção do livro foi um desdobramento de um projeto de pesquisa realizado por Antônio Torres Montenegro, no final da década de 1990, para o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) focado nas mobilizações e lutas dos trabalhadores rurais antes e após o golpe militar de 1964.

Ao investigar a atuação específica da Igreja Católica, o autor se deparou com os padres Fidei Donum. A designação refere-se à Carta Encíclica Fidei Donum (O Dom da Fé), escrita em de abril de 1955, na qual o Papa Pio XII apela aos bispos de todo mundo que estimulem entre os padres de suas dioceses (europeus, canadenses e norte-americanos) o trabalho missionário voluntário na África e, logo após, na América Latina.

Além de tentar equacionar o reduzido número de padres com o envio de estrangeiros - assegurando a hegemonia religiosa sobre a população diante do crescimento do protestantismo e do espiritismo -, a estratégia do Vaticano era combater a propagação das “pregações materialistas”.  Lançada por Pio XII, um dos papas que mais combateu o comunismo, a Fidei Donum foi reafirmada e ampliada pelo Papa João XXIII em seguida.

O livro Travessias traz as histórias de vida dos padres Jacobus Josephus de Boer (Padre Jaime, Holanda), Joseph Comblin (Bélgica), Joseph Servat (França), Lambertus Bogaard (Holanda) e de Dom Xavier Gilles de Maupeou d’ Ableiges (França).

Religiosos de origens distintas que movidos por desejos e expectativas pessoais, tornaram-se missionários Fidei Donum e que diante da realidade brasileira, aqui se envolveram intensamente na luta contra as desigualdades sociais.

“Passaram a chamar minha atenção os padres europeus que afirmaram terem emigrado para o Brasil por convocação da encíclica Fidei Donum, sobretudo porque, se um dos objetivos dessas missões era o combate ao comunismo, era surpreendente descobrir como muitos deles, após o golpe de 64, começaram a ser taxados de comunistas e até detidos para interrogatórios. Alguns deles foram presos e mesmo expulsos do Brasil. Outros receberam ameaças de morte ou foram assassinados”, destaca o autor.

Com 441 páginas, Travessias contextualiza a história dos padres Fidei Donum  à cena dos anos de 1950 e 1960 marcada por fortes tensões no mundo pelo acirramento da Guerra Fria, pela questão fundiária no Brasil com intensa participação do Partido Comunista, Ligas Camponesas, entre outros aspectos. Situa ainda a nova perspectiva de função social e política da Igreja defendida pela ala progressista, o surgimento da Teologia da Libertação e as relações institucionais estabelecidas entre a Igreja e os governos militares no interesse de combater o comunismo, um inimigo em comum.

É prefaciado por Daniel Aarão Reis, professor de História Contemporânea, da Universidade Federal Fluminense (UFF), que avalia ser o livro (introdução, notas e narrativas dos padres) um conjunto precioso e único para a compreensão das décadas do último terço do século XX. “Uma questão que perpassou a trajetória deles no País foi a das relações entre a Igreja e a política. Cedo perceberam, quando já não traziam essa reflexão das terras de origem, que a Igreja a que pertenciam, e pela qual aportaram no Brasil, a sua Igreja, não era muito mais - ou, nas condições brasileiras, quase exclusivamente - uma instituição a serviço dos interesses dominantes e dos governos constituídos”, ressalta.

O autor - Professor do Departamento de História, do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o pernambucano Antônio Torres Montenegro é referência nos estudos em história oral no Brasil sendo um dos criadores da Associação Brasileira de História Oral (ABHO). É autor de diversos livros, entre eles, Reinventando a liberdade - a Abolição da escravatura no Brasil (1989), História oral e memória: a cultura popular revisitada (1992).

SERVIÇO:
Livro Travessias
Companhia Editora de Pernambuco (Cepe)
R$ 60,00 (livro impresso) e R$ 18,00 (E-book)
LOJA ON LINE

Fonte: Portal Companhia Editora de Pernambuco.
Imagem: Reprodução.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.