Depois de manifestação, aulas do curso de psicologia na AESA continuam com os professores atuais


Os alunos do curso de psicologia da Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde (AESA) foram recebidos na manhã de hoje (21) pelo diretor presidente da Autarquia, Roberto Coelho. Eles haviam realizado ontem uma manifestação contra a saída de dois professores, para a entrada de um outro professor no curso.

Leia mais:
Alunos do curso de psicologia da AESA fazem manifestação contra saída de professores

De acordo com Roberto, em conversa com a nossa reportagem, a reunião foi proveitosa e os alunos foram ouvidos. "Decidimos que não haverá mudanças nesse semestre. Os professores Luis Massilon e Epitácio continuam ministrando as suas cadeiras no curso. Esse é um posicionamento pedagógico. Tudo continua da mesma maneira", explicou.

Outro lado

A nossa reportagem também ouviu o professor Otávio José Rolim Júnior, também conhecido como Bomba. Ele primeiro explicou sobre o seu apelido e diz que os alunos usaram isso de forma pejorativa, no intuito de denegrir a imagem dele. "Da forma que eles utilizaram a 'bomba' nos cartazes, ficou parecendo que eu quero acabar com o curso ou que quero o mal do mesmo. Esse apelido é de família e não poderia ter sido utilizado para este fim", declarou.

Outro ponto explicado pelo professor, que tem 31 anos de trabalho na AESA, foi que os alunos alegaram que ele quer entrar para dar as aulas no meio do semestre, mas que o pedido dele, para dar aulas no curso, havia sido feito desde janeiro.

"Desde o início do curso em 2015 até o último mês de dezembro, me dediquei à coordenação pedagógica de psicologia, quando pedi afastamento. No dia dois de janeiro deste ano liguei para a coordenação do curso solicitando ir para a sala de aula para ministrar as disciplinas, o que me foi negado. Por conta dessa resposta negativa, no dia nove de janeiro de 2017 protocolei um ofício, junto ao presidente, Roberto Coelho, fazendo a mesma solicitação, mas o parecer favorável a mim só foi respondido no último dia 15 de março".

O professor Otávio também explicou alguns pontos desse parecer, que foi assinado pela advogada Nadja Pacheco. "É um direito meu, não quero nada além dos meus direitos. O servidor contratado - que é o caso dos dois professores citados - só pode atuar no caso do servidor efetivo não estar disponível para assumir o cargo. Eu estou disponível e sou efetivo, mas nunca fui chamado para participar da formação ou da montagem do curso de psicologia na AESA. A única vez que me convocaram era para ministrar uma disciplina fora da minha área, por isso declinei do convite".

Ele também lamentou a posição dos alunos. "Não entendi o porque dessa manifestação dos estudantes. Não tenho nada contra eles, nem tenho nada contra os professores Luis e Epitácio. Os alunos não me conhecem", reclamou o professor Otávio.

Quanto ao parecer técnico que o professor tem em mãos, o presidente da AESA, Roberto Coelho, explicou que o mesmo será gerenciado junto à coordenação do curso de psicologia. Abaixo estão as imagens do parecer técnico,enviadas pelo professor Otávio José.


 
Por Zalxijoane Lins.
Imagem de capa: Blog Psico.
(Ao copiar daqui - imagens e textos - favor inserir os créditos).

Um comentário:

De 1ª Categoria - O Seu Melhor Programa, com Zalxijoane Lins . Tecnologia do Blogger.